16 de agosto de 2012

Top 5 – Grandes Filmes com Elvis Presley

Nossa homenagem a este lendário artista.

Por: Além do Oscar

Exatamente hoje, fazem 35 anos desde que o Rei do Rock, Elvis Presley nos deixou. O mundo ficou mais silencioso e sem dúvida um pouco menos mágico com sua partida.

Mas não é como se não existissem obras de arte que levassem seu nome. O grande Elvis deixou sua marca não apenas no mundo da música, mas também no cinema, com os divertidos filmes que estrelou.

Assim, hoje falarei daqueles que em minha humilde opinião, são os melhores longas estrelados por esta lenda do século 20.

Acompanhem-me.

“Louco por Garotas”

Acho que a maioria das mulheres irão admitir que acham o Rei do Rock um cara lindo.

Diabos, acho que muitos homens também não irão negar.

Assim, é lógico que ele fez diversos filmes onde era um bonitão com jeito jovial, que sempre conquistava a mocinha, com muita música e diversão. Essa é meio que a ideia por trás de “Louco Por Garotas”.

Nesta produção, um mafioso de carreira resolve contratar um músico e sua banda para servirem de acompanhantes para sua filhota, em plena “Semana do Saco Cheio”. E daí percebemos que mafiosos não são os seres mais inteligentes do planeta…

“Louco por Garotas” não é o mais profundo ou envolvente filme estrelado pelo senhor Presley, mas é inacreditavelmente divertido. O tipo de produção que parece passar rápido, de tão agradável que é de se acompanhar.

Um óbvio exemplo do carisma absurdo que o músico nativo de Memphis possuia.

“O Prisioneiro do Rock”

Preso por homicídio, o jovem Vince Everett aprende a cantar e dançar na prisão, de onde acaba se tornando famoso. Assim que cumpre sua pena, o rapaz consegue trabalho no clube de um amigo e torna-se um astro do rock.

Claro, não podia ser de outro jeito.

Este foi o terceiro filme de Elvis Presley e obteve um sucesso absurdo, faturando quase dez vezes seu custo nas bilheterias, logo de cara. Em seu tempo, o Rei do Rock conseguia faturar tanto quanto qualquer filme “Blockbuster” hoje em dia e sem as campanhas de marketing massivas que nos bombardeiam.

Algo que não consigo imaginar se repetindo na atualidade.

“Elvis é Assim”

Saindo um pouco da fantasia, temos este documentário que mostra como eram os bastidores de um show do Rei.

Hoje em dia, era das câmeras digitais e Youtube, é relativamente fácil encontrar videos que mostrem ídolos da música por trás do palco. Em 1970, era um pouco mais complicado… mas muito mais mágico, sem dúvida alguma.

Não temos uma história, um vilão, uma mocinha a ser conquistada, nem números musicais que resolvem todos os problemas do mundo. Apenas presenciamos Elvis fazendo aquilo que faz de melhor: cantar e dançar.

E sinceramente, eu não posso ser o único que pensa que Elvis devia ser um cara muito divertido de se ter por perto. Aquele amigão que sempre tem uma piada na ponta da língua e que te deixa assaltar a geladeira da casa dele quando e dá vontade.

“Amor a Toda Velocidade”

Um dos filmes mais famosos de Elvis e com certeza, um de seus enredos mais bobinhos e despreocupados. Aqui, ele é Lucky Jackson, que está mais preparado do que nunca para tomar parte no Grande Prêmio de Las Vegas.

Exceto que ele precisa arranjar um motor novo para seu carro. O único problema é que ele está com dificuldades em se concentrar no seu veículo, por conta de uma estonteante ruiva (Ann-Margret) que cruza seu caminho.

Claro que nosso herói só precisa cantar e requebrar para superar seus problemas. Ele é Elvis Presley, afinal.

Grande parte da graça deste filme vem da química inegável que existe entre Elvis e Margret. Os dois formam um casal muito bonito, que funciona na tela e é convincente em sua forma ingênua de mostrar amor jovem. Tipo de coisa adorável que Hollywood tem certa dificuldade de duplicar hoje em dia.

“Balada Sangrenta”

Elvis tinha sonhos de tornar-se um ator legítimo e respeitado, algo difícil de se alcançar quando se faz fama com musicais. “Balada Sangrenta”foi sua tentativa mais intensa de mostrar a Hollywood que podia ser um novo James Dean.

Aqui, conhecemos Danny Fisher, que largou a escola para trabalhar e sustentar seu pai problemático e sua irmã caçula. Ele tenta se dar bem como músico e seu talento logo chama a atenção do chefão do crime local, Maxie Fields (Walter Matthau). Como é de se esperar, as coisas complicam e se tornam um bocado mais sombrias eventualmente.

“Balada Sangrenta” foi dirigido por Michael Curtiz (responsável também por “Casablanca”) e permanece como um dos mais sérios filmes estrelados por Elvis, além de uma prova definitiva que ele tinha um talento dramático ao qual Hollywood não deu muito valor.

Menção Honrosa: “Forrest Gump – O Contador de Histórias”

Ok, não é o Elvis Presley de verdade, (bom, a voz ao menos era de Kurt Russel, que interpretou o Rei do Rock no filme sobre sua vida) mas podemos ver por aqui, onde o Rei aprendeu seus famosos passos de dança.

Ninguém pode questionar que esta é uma homenagem linda. E tenho certeza que muitos fãs deste grande músico ficaram com lágrimas nos olhos ao verem tal tributo na telona.

Elvis nunca será esquecido, sem dúvida.